Feliz Natal e Ano Novo!!!

Queridaaas, hoje vim rapidinho só pra desejar um Natal maravilhooso para todas.
Que possam reunir a família, curtir todos os momentos, comer bastante e ser feliz. Que Papai Noel traga muita saúde, amor, sucesso e alegrias para todas.
Pela primeira vez vamos passar o Natal na casa da minha mãe, pois sempre passamos na casa da minha tia. Isso é meio estranho pra mim, ter que me acostumar a passar o Natal sem todas as pessoas que fizeram parte desse momento durante 21 anos. Vai ser diferente, mas a vida é assim, vou sentir falta mas vai ser divertido. Esse ano vamos passar com a família do meu pai. Acho que por todas essas coisas que eu não estou tão no clima natalino hehe

E o Ano Novo? Muitos planos para 2013. São tantos que já tenho vontade de ir fazendo tudo agora, correndo. Mas é tudo com calma né gente? Com o tempo tudo vai se ajeitando.
Quero começar a postar mais, falar sobre a minha visão em muitos assuntos e saber a opinião de vocês. Quero movimentar esse blog hein, tá muito paradinho, até porque estou totalmente sem tempo.

Então é isso, espero que em 2013 vocês não me abandonem táá? Estou muito carente hehe.
Vamos curtir muito as festas, o verãozinho. Quero ver as fotos dazamigas depois, de todas essas festas.


 Desejo um ano de 2013 maravilhoso para todas. Às mamães que curtam muito seus filhos, dêem muito amor, beijos e abraços apertados. Às tentantes que tenham um ano super fértil e que aproveitem muito os treinos com seus maridinhos. Às desejantes, como eu, que curtam muito o tempo todo, aproveitem todos momentos intensamente, façam quase tudo que tem vontade, coisas inesperadas, coisas planejadas, que curtam o tempo a sós com os companheiros.


FELIZ NATAL, CHEIO DE PAZ E AMOR.
FELIZ ANO NOVO, COM MUITA ALEGRIA

2012 se indo

Gurias, primeiro queria agradecer os comentários de vocês na postagem anterior. Desde que coloquei esse template novo, não consigo responder, logo abaixo do comentário de vocês, como eu fazia antes. Então queria agradecer vocês que estão sempre aqui me lendo e aturando minhas chatices e loucuras. Realmente vocês são demais e eu me sinto feliz em ter esse cantinho aqui, onde posso falar do que quiser sem ser criticada e sem que fiquem me apontando o dedo. Tudo bem que vocês podem fazer isso mentalmente, mas pelo menos não expressam aqui hahaha fico agradiiiicida diimais por me aturarem.


Eu, lendo tantos blogs que acompanho, vi as pessoas falando do ano que passou, de tudo que aconteceu na vida delas e aquilo tudo de fim de ano e comecei a pensar no meu ano, em tudo que aconteceu.

Foi um ano ótimo, sem sombra de dúvida. Aproveitei tudo que podia, vive intensamente tudo que podia, aprendi tanto, conheci tantas pessoas novas, amigas e amigos especiais.
Pensando em tudo que aconteceu, só posso pensar em coisas positivas. Claro que existem e sempre vão existir coisas ruins nas nossas vidas, nunca teremos um ano perfeito sem nada negativo, mas temos que aprender a ver o melhor lado das situações. Penso assim. Tudo que acontece tem um propósito. Podemos não entender agora, ficarmos revoltados com certas coisas que nos acontecem, tristes com as situações que acabamos tendo que enfrentar. Isso é normal, mas temos que entender que se certa coisa acabou acontecendo é porque tinha que ser assim. As coisas negativas acontecem para evoluirmos, para aprendemos. Não se fala por aí, é errando que se aprende? Então, temos que cair para aprender a levantar. Muitas vezes levamos tombos feios da vida, mas temos que aprender a dar a volta por cima, levantar e seguir em frente. Com certeza, enfrentando as situações assim, nossos tombos vão sendo cada vez menores.
É assim que eu levo a vida. Posso ter vindo aqui muitas vezes para reclamar, para desabafar, nos momentos mais tristes e posso não ter vindo nos momentos mais felizes, pois nesses eu estava bem e não precisava de uma palavra de força, de carinho. E isso me deixa muito feliz, saber que posso vir aqui e falar o que quiser, vão ter pessoas que se identificam, que já passaram pelo mesmo e que vão me fazer sentir melhor. Esse é um saldo muito positivo do meu doismiledoze, ter criado esse blog. Eu adoro esse mundo da blogosfera, desde muito antes de criar o meu próprio. Já leio há muito tempo blogs queridos, mas criar o meu foi especial. Deu até um friozinho na barriga hehe e ainda dá, toda vez que posto algo novo e espero para ver quem vai comentar, se vão gostar, se não vão, o que vão falar. Ui, isso é muito bom. Por isso agradeço às minhas seguidoras queridas, as leitoras de fé, as leitoras de 'só às vezes', agradeço a todos que vêm aqui ou já vieram. Vocês fizeram do meu ano, um ano inesquecível, obrigada.

E indo mais pra frente trás, no começo do ano, ver tudo que já passou, tudo que aconteceu. Foram tantos momentos que tenho vontade de voltar, ficar só mais um pouquinho curtindo. Como o meu verão que foi uma delícia, o meu aniversário com pessoas que eu amo, a vinda da minha irmã e sobrinha, quando pude conhecer a pequena, ficar o tempo todo com ela no colo, passear, mostrar pra todo mundo, rir com a minha irmã, rir com toda a família, como queria voltar e ter elas aqui novamente, agora estão longe demais, muitas vezes tenho vontade de sair correndo e ir encontrá-las.

Bonequinha de neve da titia


 E o meu chá-de-cozinha? Saudades de toda função. De reunir as amigas, a família, rir, brincar e ganhar presentes, todos tão lindos e escolhidos PARA MIM, para o meu novo começo de vida, uma nova vida.
Em falar nisso, foi maravilhoso e ao mesmo tempo estranho. Sair de casa, a casa que eu morei desde os 7 anos, onde eu vivi tantas coisas. Não vou dizer que foi difícil porque não foi. Eu queria há muito sair da asa da mãe, então foi ótimo ter a minha casa, meu lar, minhas coisas. Tudo responsabilidade minha e eu nunca senti isso como um peso. Foi lindo e ainda é, viver com a pessoa que a gente ama, dividir tudo, desde contas, cama, móveis.. tudo. Esse foi o grande passo que eu dei. Por isso 2012 foi um ano maravilhoso. Claro que tive momentos ruins, no meu trabalho, tantas coisas que me aconteceram, parecia que não iria aguentar e estou aqui. Na família também tivemos momentos tristes, perdas de entes queridos, saudade de toda família junta, coisas que acontecem com uma pessoa mas que acabam atingindo a todos. Porém, tudo passa e passou na nossa vida também. O choro pode durar a noite toda, mas o riso vem pela manhã. E é assim que a vida segue.

Mesmo ficando um pouco, não é triste, mas um pouco pensativa nesse período das festas, eu estou feliz, pois foi mais um ano vivido, um ano feliz, um ano cheia de saúde, não posso e não devo reclamar de nada. Esse ano foi lindo e o próximo também será, para mim, para nós, para todos.
Curtam tudo intensamente, vivam muito todos momentos e aproveitem esse momento de renovação.





Só pra saber

E então dezembro chegou, fim do ano, verão chegando (ou já chegou? 40º) e toda aquela coisa de Natal, reunião de toda família e etc.
Eu adoro e não adoro, esse época. Dá uma certa tristeza, não sei bem do quê. Uma nostalgia talvez. Os planos pro próximo ano, rever o que foi feito no ano que passou, pensar no que mudar para o próximo. Vai ver é isso que me deixa meio pra baixo. To super bem, mas é só essa coisa de Natal.
Na verdade, a vida toda passei o Natal com a família da minha mãe, sempre foi tudo igualzinho, sempre sabia quem iria estar presente, como seria e tudo mais. Agora esse ano vamos passar com a família do meu pai, e  já estou achando estranho. Fico triste por isso, sinto falta já, de estar perto das outras pessoas. Mas me falaram que a vida é assim né? Tudo muda e a gente tem que se acostumar.

Ainda com alguns probleminhas na família, uma reforma que parece não ter fim na casa dos meus pais. Cada dia resolvem reformar mais uma coisa haha tá uma bagunça, poeira, eu ainda ajudo escolhendo certas coisas, também estou ajudando minha mãe a fotografar umas crianças em uma escola infantil. Tenho feito exercício, sabe como é o verão aí. Tenho feito coisas de improviso (aprendi com a minha musa inspiradora). Saio sem rumo, combino com as amigas e vamos, saímos de bicicleta, vamos num barzinho, num parque, Tô assim, curtindo a toa. Não dá pra ficar muito parada né, senão o bixinho dos maus pensamentos pega.

É isso, só passei pra dar uma atualizada. Tô morrendo de saudade de escrever, algo produtivo e significativo. Vamos ver, estou tendo umas ideias e mais pra frente eu volto e compartilho tudo com vocês, quando meu ânimo de postar voltar com tudo. Oremos.

Fiquem com Deus amigas, se cuidem e quero ver as decorações de Natal hein. Quando a minha estiver pronta mostro as fotos.

Ó uma fotinho da minha bonequinha de neve.

- 10º e brincar na neve é tudo de bom


Beijos e boa semana.

Violência Obstétrica - Isso tem que acabar.

Cá estou em novamente. 
Hoje quero falar sobre a violência que a mulher sofre. Não só a mulher, mas também o seu bebê, aquele serzinho que vive dentro de você durante nove meses ou até mais, cresce e evolui no seu ventre, um lugar quentinho, aconchegante, pertinho da mãe, ouvindo seu coração, se alimentado dela.. Como você acha que esse bebê gostaria de nascer? Em um ambiente calmo, tranquilo, nascendo através de sua força e de sua mãe, chegar e ir direto pro seu colo, pro peito ou, antes mesmo de nascer, já sofrer dentro do útero ainda, com hormônios sintéticos que fazem mal á ele, com alguém o puxando pra fora, o empurrando através da barriga da sua mãe, com pessoas em volta fazendo piadas, recebendo um tapa na bundinha e ir direto pra longe da mãe, nas mãos de pessoas desconhecidas e até pior, ter que nascer sem estar preparado, com a pobre mãe levando um corte no abdómen, de 8 camadas e puxando aquele neném pra fora sem aviso prévio. Como você preferiria nascer? Pense bem. 

Não ache você que o modo como o bebê vem ao mundo não importa, como muitas mães dizem "o que importa é que ele nasça, não interessa o jeito". Como não interessa? Você não se importa com seu filho? Com o 'maior amor da sua vida'? Não entendo como as pessoas podem pensar assim. É o primeiro contato com o "mundo" e acaba sendo do pior jeito. Muitas vezes por falta de informação das mães e falta de paciência (e algumas vezes falta de caráter) de alguns médicos. Veja bem, não pense que estou subestimando os médicos. Nunca, jamais, Acho uma profissão linda, talvez a mais linda de todas. Mas não sei o que acontece, o porquê de alguns tratamentos. Existem médicos ótimos, claro. Existem também aqueles sem paciência e que só visam o dinheiro. Mentem pras mulheres, pra poder marcar uma cesárea. Porque isso, meu Deus? Se está tudo ótimo, se mãe e bebê estão saudáveis, pra que fazer uma cesárea, uma cirurgia de grande porte, cortar oito camadas da mulher, cavucar a barriga e arrancar um bebêzinho que não está preparado pra tudo isso. Eu não entendo. E também não entendo quem prefere se submeter á isso. Porque, se parir é algo natural? Quantas milhões de mulheres já passaram por isso? É por medo? (talvez o medo que começou num parto traumático, vai saber né) Mas tem medo de fazer algo que é natural e fisiológico e não tem medo de passar por uma cirurgia. É por não querer sentir dor? Mas e a dor de uma cirurgia? Começando pelo "furinho" de um soro, uma agulhada nas costas, uma abertura de oito camadas (eu sei que já falei isso, mas nunca vou entender, desculpa) na sua barriga. Sem falar nos seus braços amarrados, seu bebê vem, você o olha por 5 segundos e o levam. Daí você vai para uma sala sozinha, esperar passar o efeito da anestesia. Fica lá por 3 horas mais ou menos. E enquanto isso, cadê o seu bebê? Se pra você já é ruim ficar ali sozinha, imagina o seu filho, que não sabe nada desse mundo ainda, perdido, sem saber o que está acontecendo. Depois passa o efeito da anestesia e daí começa a dor. E esse vai durar por mais umas 2 semanas, pode crê. E você tinha medo da dor? Bom, a moça que pariu mesmo, já não sente mais nada a tempos.
Tá gente, posso ter exagerado, pode ser que seja diferente uma coisa ou outra, mas entenderam o que quero dizer? Porque passar por um risco, de uma cirurgia, se não é necessário? Se o seu médico deu algum motivo pra cesárea, quem sabe procure uma outra opinião, porque pode ser só um mito, que vai fazer você passar por algo desnecessário e traumático.

Então, eu me empolguei um pouco e falei demais, mas é que eu nunca entendi esse negócio de cesárea agendada, ou cesárea de emergência marcada pra daqui uma semana. Nunca entendi alguns motivos mentirosos que os médicos dizem ás mulheres.

Também não entendo toda a violência que vem acontecendo nos hospitais. Pessoas que estudam pra lidar com pessoas, que sonham com isso pra vida delas e tratam as pessoas tão mal. Uma mulher grávida, prestes a conhecer o seu bebê, sentindo dor, ansiedade, medo e tantas outras coisas e pessoas sem paciência em volta, tratando como "mais uma criança nascendo, que seja rápido, porque depois tem mais". Isso é um absurdo e tem que acabar. Merecemos respeito no momento mais lindo de nossa vida. Eu sonho com meu parto natural domiciliar, tudo calmo, silencioso só com uma músiquinha de fundo, pessoas que estão ali para mim e só, pessoas queridas que eu escolhi. Parir do jeito que eu quiser, na água, na cama, no chão, de cócoras, de ponta cabeça, mas do jeito que eu quero. É O MEU CORPO, eu escolho. Sem "procedimento de rotina", sem intervenção, sem judiaria com o meu bebê. É isso que eu quero. E quem dera fosse assim com todas mulheres, pois todas merecemos escolher o que fazer com o nosso corpo. É por isso que também estou nesta luta, contra a violência obstétrica. Quanto mais mulheres se juntarem, quanto mais for divulgado é melhor. Vamos conseguir mudar alguma coisa? Espero que sim. Espero de coração que sim. Mas pra isso temos que nos mexer. Não é só um detalhe, é o nascimento de uma vida, que dependendo de como acontecer, pode prejudicar todo o resto do crescimento do seu filho.

Esse vídeo foi feito por várias mulheres Brasil á fora. É lindo de ver, emocionante, chocante, revoltante. Chorei vendo. Senti raiva e empatia. Assitam, não vão se arrepender. Divulguem, vamos todas lutar juntas. Eu sonho com meu parto em casa, mas se não for possível, vou parir em um hospital também e não quero passar por nada disso, quero respeito comigo e com meu filho.



É isso amigas, desculpem escrever demais, mas eu me revolto com algumas coisas e não consigo me controlar hehe mas já estou bem. Assistam o vídeo e reflitam.

Boa semana a todos.

Filhos e sossego

Falei que ia voltar? Então, foi um pouco difícil vir postar de novo, sobre algum-qualquer-assunto. A vida tá cheia, mesmo estando desempregada, to com tanta coisa na cabeça, muitas coisas acontecendo na família, gente precisando de mim, reforma na casa dos meus pais,que eu que estou vendo a nova decoração da sala, a festa surpresa de 80 anos da vovó que vocês bem sabem que eu também estou encarregada de preparar a decoração. Agora imagine ter que preparar essa festa, surpresa, na casa da aniversariante, sem ela desconfiar? É, complicado, mas contamos umas mentirinhas e ela caiu direitinho. Dissemos que estou fazendo tulipas de tecido, para a loja de uma amiga da mãe. A vó achou o máximo e está até ajudando, acreditam? haha Tá, mas hoje o assunto não é nenhum desses. To precisando escrever mesmo, pra deixar a tristeza e o desânimo um pouco de lado.



Quero começar dizendo: não aguento mais, e quando digo não aguento é NÃO AGUENTO MAIS MESMO. Acontece que algumas pessoas têm me irritado, com o frequente assunto filhos. Poisé, vejam vocês. Estou "casada" há 7 meses, desde esse tempo deixei claro que não quero filhos agora, planejo para 2014, se tudo correr bem. Mas eu sempre gostei de crianças, sempre estive envolvida com primos, afilhada, filhas de amigas e etc. Adoro os assuntos ligados à maternidade. Sabendo de tudo isso, as pessoas supõe, e supõe errado, levando em consideração que com muitas delas nunca comentei quando pretendo ter filhos, que eu quero engravidar agora, que estou tentando, que já estou comprando enxoval, que já to montando quartinho. Sim, é o que parece. A todo momento vem alguém falar "nossa, mas tu não sabe o trabalho que é ter um filho", ("sim, eu sei do trabalho e eu adoro isso"), "credo, se eu soubesse nunca tinha tido filhos", "o pior é quando crescem, daí tu só recebe ingratidão", "te prepara se tu quer ter filho logo, eles vão consumir todo teu tempo e teu dinheiro, tem que ser rico pra ter filho hoje em dia", "é Nicole, não inventa filho tão cedo, depois deles a gente não tem mais sossego".
Chega, chega, chega. Se vocês, queridas amigas, soubessem como eu fico P. da vida quando me falam isso. E o pior, gente que muitas vezes não tão nem aí pros seus filhos, ou gente que tem filho perdido pelo mundo, ou gente que deixa a vida criar os filhos. Quem são eles pra falar qualquer coisa relacionada a isso? Se é tão ruim ter filhos, porque tiveram? E ainda, se é tão horrível assim, porque tiveram mais de um, dois, três e até quatro filhos? E gente que nem filho tem, vindo me falar coisas do tipo? Ah não, antes eu ficava quieta e concordava, tentava dizer a pessoa que não quero filho agora, até ficava pensando depois no que haviam me falado. Mas agora? Fico quieta ou dou um sorrisinho amarelo ou (dependendo da pessoa) dou uma resposta bem grosseira, do tipo "poisé, obrigada pelas informações 'preciosas' mas eu não lembro de ter pedido".

Pros pitaqueiros de plantão
(Leona e eu)


Sabe, eu convivo com famílias há anos, com bebês e crianças. Com 12 anos eu já amava esse mundo materno. Já pedia pras tias e primas deixarem seus filhos comigo. Eu deixava de ir a uma festa ou sair com os amigos, pra ficar em casa cuidando de um bebê. Com 14 anos eu fui "babá" de uma neném, mas fui porque eu quis, eu implorava pra mãe dela sair e deixar ela comigo. Dava um trabalhão cuidar da neném no começo, mas eu adorava. Com 16 anos tive uma vizinha que virou amiga da minha irmã mais nova, ela tinha uma irmã de quase 1 ano, e a mãe não tava nem aí, pois era a mocinha de 12 anos quem cuidava da neném. Mas a moça de 12 anos queria brincar com a minha irmã e eu? Óbvio, ficava com a neném. Foram uns 4 meses que elas moraram na nossa rua e nesse tempo eu virei a "mãe" da neném. Sim, porque ela me chamava de mãe, ela dormia aqui comigo, eu trocava fralda, dava mamadeira, comida, banho, cuidava o tempo todo dela, levava pra passear e ela me chamando de mãe. Eu amava aquilo, me sentia mãe dela mesmo. Sofri um bocado quando foram embora. Depois veio minha afilhada, eu praticamente morei na casa dela durante os primeiros anos, ajudava em tudo, a mãe dela confiava em mim pra deixar a Leona, eu participei dos momentos mais importantes da vidinha dela, eu adorava, amava quando ela pedia meu colo quando alguém estranho pegava ou até mesmo quando uma avó ou dinda pegava, ela me olhava chorando e jogava os bracinhos pra mim. Mas o que quero dizer, é que eu sei de todo o esquema que é ter um filho. Desde a gravidez, os primeiros meses, de cólicas terríveis, noites sem dormir ou dormidas pela metade, sei do trabalho que dá, do quanto se gasta com um filho. Também sei da alegria de ter um (mesmo não tendo um ainda, eu sei da alegria de um bebê, imagino o tal to maior amor do mundo, quero muito sentir tudo isso). Mas muitas pessoas exageram, compram coisas demais que não precisa ou compram demais pra compensar a falta de carinho, de atenção, de tempo. Isso é errado. Agora nesse meio bloguístico eu já conheci tantas outras família, já vi tantas histórias de vida, de mães. Agora eu procuro me informar,me preparar pra quando chegar o momento, o meu momento. Não sei quando vai ser ao certo, planejamos as coisas de um jeito, mas como saber se elas vão sair como queremos? Não temos garantias de nada. Por isso eu to aqui, eu gosto de saber de tudo, todas possibilidades, tudo que pode acontecer com uma mãe e um  bebê. Com uma família. Por isso to cansada de gente que não sabe o que diz, de gente metida, de gente fofoqueira. Não deixo mais esse tipo de gente se meter na minha vida, dar palpites e dizer o que é certo fazer. Agora eu mudei, eu sei responder, eu sei dizer o que penso sem me abalar ou ficar triste. Pode vir falar que tenho que esperar mais uns dez anos pra ter meu filho, mas quem sabe da minha vida sou eu. Quem sabe da minha família sou eu e o Andrei. Chega dos pitaqueiros. Já estou cortando eles agora, pra quando estiver com meu barrigão lindo, eles não virem me falar sobre "estragar a minha vida com um filho", "cuidados na gravidez", "cuidados com o bebê", "isso pode, isso não pode". Então já chega. Quem sabe vá dar atenção pros seus filhos, pros maridos, cuidar da casa. Não tem uma louça na pia esperando por você? Vai lá e termina de "estragar sua vida, com seu filho que dá o maior trabalho, tira todo seu dinheiro, não te dá sossego, não te deixa em paz e você só recebe ingratidão". Com certeza, com esses pensamentos e essa visão da vida e da maternidade, realmente tá estragando sua vida e, infelizmente, a vida do seu  filho também. Sem reclamar depois que ele é um peste hein? Com o tratamento que essas pessoas dão aos filhos, não dá pra se esperar outra coisa dessa crianças, que só querem chamar a atenção, só querem um carinho.




Desculpa gurias, hoje foi meio um desabafo hehe mas sei que vocês também devem passar por isso né? Quem nunca? Essa gente pitaqueira. Mas sabe que me sinto melhor agora, escrever tudo isso, mudar minha visão dessas pessoas e meu jeito de tratar com elas. Agora eu to cuidando da minha vida.


Ótimo fim de semana pra vocês e acho que estou de volta, dessa vez pra ficar. Oremos.

Unidas por uma causa nobre

Amigas,
Não tenho muito o que falar, sem novidades e ainda estou muito triste com tudo que aconteceu. Tenho um carinho enorme e especial pela Lelly, desde o começo nos demos bem, sempre conversamos, somos parecidas, então tudo que aconteceu com ela me abalou de verdade. Penso nela a todo momento, oro e mando boas energias.

Desde que aconteceu, ficava pensando em como ajudar essa mãe que está sofrendo tanto, mas não imaginava o que poderia ser feito, estando um pouco distante dela.

Mas agora descobri o que eu posso fazer e você também pode, todas da blogosfera podemos nos unir para ajudar a  Lelly que está nessa luta. Mesmo sofrendo ainda, com a ferida aberta, ela criou forças para contar tudo que aconteceu e agora precisamos divulgar isso, para que outras família não sofram o mesmo que ela. Mesmo com essa dor, ela pensa em ajudar outras mães.

Então peço para vocês, que entrem nesse link abaixo do facebook e curtam. Quanto mais curtidas tiver, melhor, estaremos mais perto de conseguir o objetivo, que é chegar à quem possa ajudar mais, que possa divulgar o que aconteceu.

http://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=301906739911589&id=100002767950780&ref=notif&notif_t=like

Curtam e peçam para seus amigos do face curtirem também. Eu já estou fazendo a minha parte, já divulguei e já fui no bate-papo pedindo, um à um que curtissem o link.

Vamos lá gente, quando mais curtidas melhor.

Agradeço a todas que ajudarem, de coração. E vamos continuar orando, pedindo a Deus que dê forças a essa mãe, vamos continuar mandando boas energias e muuito carinho, mesmo que em forma de palavras.


Para uma mãe e um anjinho de Deus.

Quando resolvi criar um blog sabia que mudaria muita coisa em mim. A minha visão de certas coisas.
Mas confesso, não imaginei que mudaria tanto na minha vida.
Não acreditava muito em amizades virtuais, mas com o blog mudei a minha visão. A partir daqui fiz amigas tão queridas. Claro que não é a mesma coisa de uma amizade "real". Não posso ir a casa delas sempre que quero, não podemos marcar encontros num sabádo a tarde ou um cinema, ou um passeio no parque, mas podemos conversar, trocar ideias, trocar mensagens de carinho, podemos contar com a outra mesmo tão longe fisicamente, mas tão perto em todos outros sentidos.
Posso dizer aqui, que desde o comecinho me identifiquei muito com um blog, uma mãe, uma família linda. Visitava sempre o blog para saber novidades primeiro da gestação, que fora tão planejada, tão querida., depois o nascimento e o desenvolvimento de um bebê tão lindo, tão saudável, tão amado e feliz.
Comecei a conversar com essa mãe, nos identificamos e nos achamos tão parecidas. Foi tudo bem rápido, mas tão verdadeiro. Achava linda aquela família, tão abençoados...

Eis que hoje fico sabendo de uma triste notícia que deixou meu coração em pedaços, fiquei em choque, não entendia o que estava acontecendo. Não podia ser verdade. Aquele bebê tão lindo e saudável, voltou pra junto de Deus. Diante da morte ficamos tão indefesos que não temos palavras, não entendemos porque acontece coisas assim com gente que não merece. Paro pra lembrar de tudo que já vivi e tantas pessoas que já vi partir desse mundo. Mas hoje, meu coração doeu muito mais.

Esse ano não foi fácil pra Lelly. Aliás, acho linda a história dela. Dela e do Felipe, seu marido. Tanta coisa ela já viveu, tantas coisas tristes, mas que nunca deixaram que ela caísse, que desistisse do mundo, da vida. Desde o começo admirei essa menina-mulher. Gostei tanto dela por tudo que já passou na vida. E mais essa  perda irreparável agora.

Eu sei que não existem palavras que façam o sofrimento passar, nada que possa amenizar essa dor. Tudo que se diga, na verdade é nada perto disto. Mas eu queria deixar registrado o carinho enorme que sinto por ela, pelo Benício. Deus quis o anjinho dele de volta amiga, é difícil de entender agora, mas Ele sabe de todas as coisas, tem um propósito pra tudo que acontece. Tu disse que esse mundo não era pra ele, ele merecia um mundo muito melhor, é verdade, por isso ele está agora junto de Deus, tenho certeza de que ele está bem e cuidando de ti, te dando muita força. À ti, o Felipe e toda tua família.


Queria tanto estar aí perto nesse momento, poder te abraçar, cuidar de ti, confortar teu coração. Queria poder tirar, com a minha mão, o teu sofrimento. Queria pelo menos poder dividir essa dor, amenizá-la. Mas não posso e isso me deixa triste demais, me sinto tão inútil nesse momento, mas quero que saibas que mesmo longe, estou perto de ti, perto em oração. Estou aqui, rezando por vocês, pelo Benício. Pode ter certeza que tu foi a melhor pra ele, a melhor mãe e ele sabe disso, de onde ele estiver, foi tão bem cuidado e tão amado, teve tudo que ele merecia de vocês. Foi um bebê lindo e deixou a vida de vocês cheia de amores, de cores e agora deixa as lembranças tão maravilhosas. Lembre sempre dele sorrindo, aquele sorriso lindo que ele tem.


É preciso mudar, pra escapar da rotina...

E daí que a vida tá a mesma coisa, tudo meio parado e eu resolvi, hoje, que não quero mais que seja assim.

Vou explicar.

Não estou trabalhando, Andrei largou um emprego e amanhã começa em outro (oremos pra que tudo dê certo dessa vez) e isso quer dizer que passamos muito tempo juntos, conversamos muito, fazemos planos, depois desfazemos e tantas outras coisas.
Ainda não achei o meu lugar no mundo, o sentido da vida e tal, mas decidi que se eu ficar parada, vai ser muito mais difícil achar qualquer coisa. Penso muito, todo dia, o que eu gostaria de fazer, aonde gostaria de trabalhar. Queria algo ligado à crianças e/ou maternidade, mas daí me pergunto "o quê?". Não encontrei nada ainda que eu possa fazer ligado a isso, mas estou com alguns planos.

Resolvi que vou trabalhar em alguma escola infantil. Fazendo o que eu já conheço e já fiz muiiiito nessa vida: cuidar de crianças. Melhor ainda se forem de bebês. Não é o que eu sonho pra minha vida toda, mas já aprendi que não posso proucar alguma coisa pra fazer "pro resto da vida". Tenho que procurar algo pra agora, pra ocupar meu tempo e ainda ganhar um dinheirinho né, afinal também preciso ajudar em casa. Aconteceram coisas essa semana que me fizeram pensar e cair na real. Não é sentada em casa, pensando na vida  que vou encontrar solução. Tenho que correr atrás. Então é isso, vou procurar algo que seja de meio turno, para poder me dedicar à outras coisa, talvez outro projeto.

Acredito que comece uma correria danada a partir da semana que vem e isso vai ser ótimo. Vou ter mais coisas para compartilhar com vocês.
Estamos (minha mãe, eu e uma partezinha da família) organizando a festa de 80 anos da minha vózinha-mais-lindona-do-mundo. Vai ser em dezembro então estamos na correria mesmo, pois vamos fazer tudo, desde convite, lembrancinha, decoração, arranjos de mesa, tuuudo que puderem imaginar. Lá vou eu me jogar no faça-você-mesmo, mais uma vez (nem gosto né).

A minha filhotinha de quatro patas (Zoe, esqueci de falar naquele post o nome dela desnaturada) também está me deixando bem ocupada. Ela é uma fofa, bem lindinha e quase não incomoda. Eu disse quase. Tadinha, não é incomodar, mas ela é um bebê né? Quer atenção, quer colo, quer brincar o tempo todo e só quer saber de comer. Pelo menos já aprendeu aonde fazer suas necessidades, nunca chorou de noite, deixando a gente dormir numa boa e ainda por cima, fica sozinha sem problemas. Quase uma lady hehe.

Bom meninas, vim deixar vocês atualizadas sobre a minha humilde vida haha
Está tudo se encaminhando, do jeitinho que dá.
No mais estou curtindo muito o que a vida tem de melhor. Esperando e curtindo a gravidez da minha amiga e também da minha irmã (mesmo de longe). Curtindo a minha sobrinha linda que tá pra lá de malandra e esperta (curtindo pelo skype, é o jeito). Ansiosa para saber os sexos dos babys que estão a caminho.
Enquanto não vem o meu, me divirto e vivo a gravidez das pessoinhas que eu amo.



Deixo uma fotinho de Sofia, dando seus primeiros passinhos, dias antes de completar dez meses. É um orgulho da titia babona, me divirto vendo os seus tombinhos e tropeços.






Boa semana para todas. Beijos.

Tem mais sobre mim...

Então meninas, aconteceu o seguintchi: a minha linda, querida e maravilhosa amiga Lelly tinha me convidado para participar do meme também, mas a tapada aqui não viu...então, para me redimir (e ela me perdoar) vou responder as perguntas dela também.

O começo todo, as regras, vocês já sabem. Vamos direto às perguntas.


1) O que ser mãe significa na sua vida? (Sendo mãe ou tentante)
Bom, não sou mãe nem tentante, ainda. Mas, ser mãe significa tudo pra mim, é o que eu mais quero que aconteça na minha vida. Acredito que só depois da maternidade vou me sentir "completa".

2) Se lembra de algo que passou e você gostaria de voltar no tempo apenas para reviver aquele momento?
Com certeza. Tenho vontade de voltar no tempo, em tantos momentos.

3) Como o seu marido/namorado é como pai? Se ele ainda não é, como você o define sobre a paternidade?
Não sei ainda, mas acredito que será um paizão. Daqueles bem babões, chatos e ciumentos hehe Pelo menos quando conversamos sobre os nosso futuros filhos ele já dá entender isso. Diz que não quer deixar com ninguém, porque acredita que ninguém vá cuidar como nós. Já diz sobre a educação que quer dar, sobre as coisas que quer ensinar, enfim, acho que quando chegar a hora ele vai ser um bom pai.

4) O que pensa sobre o aborto em qualquer colocação, seja por um casal de namorados, maridos ou estupro?
Sou contra o aborto. Acho que fez sabendo da consequência, se não se "cuidou" como deveria, sabia que existia o risco de engravidar. Se foi responsável o suficiente pra fazer, tem que assumir. É uma vida que tá se formando, Deus colocou ali é porque tinha que ser assim. Pelo menos eu acredito nisso. Agora no caso do estupro, não sei qual a minha opinião. Penso que a criança não tenha culpa, não tem que pagar por isso, mas por outro lado penso na mulher, em gerar aquela vida depois de ter sofrido um trauma tão grande. A vida inteira olhar pro filho sabendo como foi que aconteceu., sinceramente, nesse caso, eu não sei.

5) Tem algum objeto em especial que lhe pertenceu para passar para seu filho(a)?
Em especial acho que não. Mas tenho alguns brinquedos ainda, que eu gosto muito. Tem também um vestido que eu e minhas primas usamos, se for menina, quem sabe não usa também? Ia ser legal.

6) Quais são seus planos profissionais diante da gravidez e posteriormente o nascimento de seu bebê?
Sempre quis trabalhar pra mim, não penso em sair de casa para trabalhar, na gravidez, e depois que meu bebê nascer muito menos, quero cuidar dele até os três anos, se não der pelo menos até os dois, acho isso essencial. Então acredito que preciso urgente de um home office haha

7) Qual foi a coisa mais maluca que já fez?
Bom, já fiz algumas. Mas acho que insistir no Andrei foi bem maluco. Um relacionamento que tinha tudo pra dar errado, que não tinha apoio de ninguém (nem ele acreditava no começo). Fui bem louca, corri atrás, sabia que não podia deixar ele passar na minha vida, ele tinha que ficar. Foi dificil e ainda é, somos pessoas diferentes né. Abri e abro mão de muitas coisas por nós, mas pra ele já é um pouco mais dificil, mas com o tempo ele tá "aprendendo" e isso ajuda muito. Enfim, foi maluco demais ir pra outro estado atrás do amor, mas não me arrependo nunca, ele é a melhor coisa na minha vida hoje.

8) Alguma dica de cuidados físicos no pós-parto? (Tendo passado pela experiência ou não)
Ainda não passei por isso na pele, mas já passei com algumas amigas. A minha amiga que ficou com o corpo mais bonito, se cuidou demais. Ela engordou 32 kg na gravidez, mas em 6 meses já tinha perdido uns 26 kg. O que ela fez foi amamentar muito, demais, em livre demanda (inclusive durante a madrugada) e usou aquela cinta pós-parto por mais de 1 ano. No começo ela usava direto, mas depois começou a usar só pra sair. Hoje a minha afilhada tá com 4 anos (ainda mama) e minha amiga tá linda de corpo, magrinha, sem estria e sem barriga, Acreditem se quiserem. Mas foi muita força de vontade, afinal ela é vaidosa ao extremo.

9) Complete a frase pensando no seu bebê: "Por você..."?
"Por você, com certeza, eu faria tudo. Já sinto um amor tão grande por ti meu filho, sem ao menos tu estar na minha barriga. Só de te imaginar eu já transbordo de amor. Só de falar em ti, meus olhos já enxem de lágrimas, involuntariamente. Por você eu enfrento tudo e todos"

10) O que de mais marcante te aconteceu?
Tantas coisas. Só nesse último ano: me tornei tia e dinda, mais uma vez (a mais babona do mundo), saí da casa dos meus pais, comecei uma vida de casada (e adorei), minha melhor amiga, que é mais uma irmã na verdade, vai se tornar mãe e eu vou ser dinda mais uma vez. Acho que tá bom, só pra esse ano né? hehe

11) O que de sua personalidade não quer passar para a sua cria?
Ah, tem que herdar tudo da mamãe, pra ser perfeito tanto quanto né? hahaahah
Mas...não quero que meus filhos sejam preguiçosos e acomodados que nem eu para algumas coisas.


É isso. Adorei as perguntas dela e espero que ela me perdoe pelo meu errinho.
To perdoada Lelly? Diz que simmmmmm hehe

Boa semana gurias, beijos!


Um pouco (mais) sobre mim

Bom, fui convidada para fazer aquele meme que ta rolando por aí, para vocês saberem mais um pouco sobre mim. Como sou muito querida, tenho muitas amigas nesse mundo blogosférico e sou muito modesta (hahaha) fui convidada por três meninas, de três blogs que eu adoro mesmo (a Louca Eu, a Louca do Bebê e a Marayza, obrigada guriaas por lembrarem de mim ), então vou responder as perguntas das três e depois escolho blogs para passar.



As regras pra participar são as seguintes:


  • Escrever 11 coisas aleatórias sobre você.
  • Responder as 11 perguntas que a pessoa lhe mandou e criar 11 novas perguntas para as pessoas para quem irá mandar.
  • Escolher 11 pessoas para repassar esse meme e colocar os links de seus respectivos blogs.
  • Avisar os blogs escolhidos.
  • Não retorne esse meme para quem te enviou.
  • Postar as regras.



11 coisa aleatórias sobre mim:

- Já fui muito tímida, do tipo que tinha vergonha de tudo, até de chegar em lugares onde tinha muitas pessoas. Ainda sou bem envergonhada, mas melhorou muito, já tenho até um blog né?!


- Nasci de parto normal e tenho orgulho disso hoje em dia, nesse Brasil cesarista. Pelo que me contaram um parto bem rápido, mas foi usado o fórceps (mesmo minha mãe achando que nao precisaria) só para "me ajudar a escorregar pra fora".


- Sou formada comissária de bordo. Fiz o curso e me formei em 2010. Adorei, foi muito produtivo, aprendi muito, maaas (sempre ele) depois de formada vi que fiz no impulso, na emoção (de terceiros) e que não era pra mim.


- Tenho o sonho de morar na praia, desde bem pequena. Queria me mudar e poder levar todo mundo junto comigo. Seria perfeito né?! haha


- Sou super tranquila. Às vezes me acho até meio hippie. Não gosto de rotina, de ter horário pra tudo. Gosto de viver tudo intensamente e viver na simplicidade.


- Tenho certa dificuldade em demonstrar os sentimentos com algumas pessoas.


- Gosto tanto de bebês e crianças que já quis ser pedagoga. Por conta disso trabalhei em uma escola infantil por quase 1 ano. Adorei! A experiência de lidar com crianças é maravilhosa... mas serviu pra eu aprender, que não devo colocar meu filho na escola antes dos dois ou três anos.

- Sou uma dinda babona. Minha afilhada mais velha está com 4 anos e desde que ela nasceu até quase 3 anos, eu ia todo dia na casa dela, passava as tardes com ela e a mãe dela, dormia com elas muitas vezes, era maravilhoso. Era a dinda-babá.

- Agora que moro com namorido, descobri que até sou uma boa dona de casa ahah até virei um pouco "neura da limpeza" (só em certos dias hehe)

- Adoro artesanatos, trabalhos manuais, pintar, transformar... confesso que sou um pouco preguiçosa, mas eu gosto de fazer.

- Desde criança já sonhava em ser mãe. Eu era sempre a mãe, em qualquer brincadeira. A mãe de todos, a mãe adolescente, a irmã-mãe.. sempre sempre e sempre. Que coisa não?! Meio obsessão.


1. Qual a maior alegria que seu blog te trouxe? Tantas alegrias. Adoro receber os comentários das amigas, me deixa tão feliz e empolgada pra postar novamente.
2. Você é casada? Se sim, a quanto tempo? Sou "juntada" há seis meses hehe
3. O que você acha de amizades virtuais? Eu adoro azamigas virtuais. Queria morar pertinho de todas, poder recebê-las em casa, ir visitar, fazer programas juntas. Tudo que acontece na minha vida, dá vontade de ir correndo contras pras gurias.
4. Qual seu estilo de música favorito? Pode-se dizer que sou bem eclética. Dependendo do momento que estou, me dá vontade de escutar um certo tipo de música.
5. Gosta de ler? Qual gênero? Não vou mentir, não leio muito ultimamente, mas gosto de romances, livros espiritas, alguns policiais e tal.
6. Qual sua viagem dos sonhos? Tenho vontade de viajar pra tantos lugares, conhecer todo o mundo. Desde pequena tenho vontade de conhecer Paris, não sei bem o porque.
7. Qual sonho já concretizou? Não sei se é um sonho, mas sair da casa dos pais foi um grande passo, que eu sempre quis.
8. Se você pudesse escolher outra profissão qual seria? Não faço ideia. Não tenho uma "profissão" ainda e nunca sonhei em ser nada. Mas quem sabe alguma coisa ligada a maternidade ou crianças?!
9. Você mora na praia, interior ou capital? Gosta? Mudaria? Moro na capital, Porto Alegre. Adoro morar aqui, mas tenho muita vontade de morar na praia. Muita mesmo.
10. Qual a sua religião? É praticante? Não sou muito praticante, mas frequento centro espirita. Gosto e acredito.
11.  Consegue se definir em 1 palavra? Qual? Não, mas todos me acham bem "tranquila" haha.

Pela Louca do Bebê



1 - Qual é a sua profissão? Sou formada educadora assistente e comissária de bordo, mas não trabalho em nenhuma das areas no momento.


2 - Quando criança, qual profissão sonhava em ter? Nunca sonhei com profissão. Quando criança eu já sonhava em ser mãe, e só.

3 - Um filme, um livro e uma música que marcaram você.
 Ah não sei responder essa com tanta exatidão. São tantos filmes e músicas que eu adoro.


4 - O que tem feito aos sábados à noite? Depende. Eu e namorido não curtimos muito baladas, então é mais filme, pipoca, ou um barzinho algo assim.


5 - Quais são os seus projetos para 2013?
 Pretendemos mudar para Floripa e no final do ano encomendar nosso bebê.


6 - Como você acessa o blog? Do trabalho? De casa?
 No momento da casa da mãe/vó/pai. Ou do celular as vezes.


7 – Quais foram / serão os seus critérios para escolher o nome do filho?
 Não tenho nenhum critério, penso em nomes simples e que eu goste. Também não gosto de nomes muito comuns.


8-Como você é conhecida pelas pessoas?
 Me acham uma pessoa bem positiva, tranquila e engraçada, mas também meio maluca, certas vezes.


9-Se pudesse mudar alguma coisa em sua vida, o que seria?
 Queria mudar a vida de outras pessoas e trazê-las pra pertinho de mim. Tá valendo né?!


10. Qual a maior alegria que seu blog te trouxe? (a Louca roubando as perguntas da outra Louca haha, já respondi essa láá em cima)


11 - Qual sua viagem dos sonhos? Também já respondi mais em cima...




Pela Marayza
  1. Qual seus maiores desejos para 2013? Mudar de casa ou apartamento e talvez cidade. Planejar o meu filho para 2014.
  2. Quantos filhos você pretende ter? Sempre quis muitos filhos, acho que três tá de bom tamanho né? Veremos.
  3. Você acha que vai ser uma mãe do tipo "liberal" ou do tipo "cheia de regras"? Porquê? Acho que depende da situação. Pretendo ser liberal, com algumas "regrinhas básicas". Sempre é bom né? Não se pode liberar geral, senão já viu.
  4. Do que você acha que mais vai sentir falta de fazer depois que se tornar mãe? Dormir muito, fato hahaha (a preguiçosa, percebam).
  5. Qual a comida que não pode faltar na sua casa? Congelada. E pipoca, óbviamente. Também curto frutas, muitas frutas.
  6. Carro, internet ou celular. Quais desses três itens você não consegue viver sem? Até consigo viver sem, mas internet é o mais complicado. Imagina ficar sem acessar o bloguito das amigas? Não rola.
  7. Pra você, qual a "receita" ideal para um casamento feliz? Acho que o respeito, pelo espaço e pela vida do outro. Saber abrir mão de certas coisas, pelo bem da relação. A colaboração dentro e fora de casa, dividir tudo, sem sobrecarregar um só. Não existe a "fórmula perfeita" mas saber ter jogo de cintura com as situações ajuda muito, pelo menos lá em casa.
  8. O que você não vai deixar um filho seu fazer de jeito nenhum? Porquê?  Sair sem a mamãe hahaha. Mas falando sério, essa é dificil, foge um pouco do nosso controle né? Mas vou tentar ensinar sobre o respeito. Acho muito feio o desrespeito com os outros, acho que cada um tem respeitar, sem julgar e criticar o outro, olhar pra si mesmo, cuidar dos seus problemas e sua vida antes de apontar o dedo pra alguém. Respeitar quem sabe mais, os avós, os pais, irmãos, o espaço de cada um. Deve ter mais coisas, mas agora nao estou lembrada.
  9. Qual a viagem dos sonhos para fazer com a sua família? Bom, com a familia qualquer viagem fica boa né? Uma praia, com todo mundo reunido, papeando, comendo um petisco, uma cervejinha gelada. Ou um acampamento (adoro), um violão, uma cantoria, uma jantinha deliciosa. Mas, quando tiver com meus filhos eu já não sei, não pensei sobre isso ainda...
  10. Quando você vai ao shopping, o que te deixa mais tentada a gastar? Sabe que não costumo fazer compras no shopping? Vou mais pra passear naquele dia de chuva, quando não tenho mais o que fazer ou pra ir no cinema. Mas eu fico tentada é na praça de alimentação, ali sim eu me perco hahaha
  11. Como você acha que deve-se preparar uma casa para a chegada de um filho? Não sei. Acho que não tenho muito o que preparar na casa, a não ser aquelas coisas que um bebê com certeza vai precisar. Um cantinho pro baby, com roupeiro ou uma cômoda, um carrinho, os brinquedinhos preferidos ao alcance do bebê. Não sou daquelas que quer fazer o quarto do sonhos, com personagens e etc. Gosto de coisas mais simples. Um quartinho simples, cores claras que deixem o ambiente leve, uma decoração bonitinha (gosto de pássaros ou corujas).

Bom, nessa regra eu vou falhar. Não sei 11 blogs para indicar, mas vou escolher uns que eu gosto muito.
- A Thaís do Ela não usa chupeta

E as minhas perguntas para elas(vou copiar algumas dazamigas):

1. Qual a sua profissão?
2. Você é casada? Se sim, há quanto tempo? E onde se conheceram?
3. Porque decidiu criar um blog?
4. Qual sonho ja concretizou?
5. Qual sua viagem dos sonhos?
6. Quais seus projetos para 2013?
7. Quantos filhos pretende ter? Porque?
8. Tem alguma mania? Qual?
9. Qual tua principal atividade fora do mundo bloguistíco?
10. Algo que tenha orgulho de ter feito?
11. Como se vê daqui 5 anos?



É isso gurias. Gostaram de saber mais de mim? Surpreendi vocês ou sou bem previsivel? hahaha
Boa semana, beijos.

O desânimo, a adoção e o amor

Caras e queridas leitoras do meu humilde cantinho.

Eai, como estão? Novidades? Acredito que sim, já que fiquei tanto tempo sem aparecer né?
Mas... sem aparecer aqui no meu blog, porque tô sempre de olho no das amigas, sempre acompanhando e eu adoro isso.

Eu até ia vir aqui antes, contar algumas coisas pra vocês, mas eu tive dias tristes, desanimados, sem muita empolgação e eu não tava muito afim de postar me sentindo assim, ia ficar uma coisa bem "deprê". Então esperei passar esse momento e voltei.
Aconteceram coisas bem chatas nesses últimos dias e coisas bem legais também.
Lembram da neném que eu ia cuidar? Poisé, não vou mais. Pelo menos por enquanto.
Aconteceram algumas coisas na família da menina, doenças, problemas da família mesmo (pelo menos foi o que a mãe disse) e por enquanto ela não vai precisar de mim.
Confesso que fiquei bem triste, eu tava contando com isso. Não pelo dinheiro, mas sim por fazer algo que eu adoro, por ocupar meu tempo mas também ter um tempo livre para o que for preciso.
Daí eu fiquei uns dias bem triste e desanimada, ficava pensando "e agora? o que eu vou fazer? vou ficar quanto tempo procurando outra coisa? e que outra coisa? o que eu gosto de fazer? o que eu quero da vida?". Sempre que eu começo a pensar nisso me dá uma aflição, uma tristeza, um desânimo da vida. Penso em tantas coisas que eu gostaria de fazer, mas não sinto vontade de levar nada em frente. Sei lá, não me achei nesse mundão de meu Deus ainda. Quem sabe um dia né??

Então, depois de uns dias isso passou. Claro que continuo pensando em tudo, mas sem tristeza, agora com convicção de que eu vou me achar, que na hora certa tudo vai se ajeitar. Assim como o meu bebê né? Na hora certa ele vai vir e é nisso que me apego.

Falando em apegar em algo hehe Agora não somos mais eu e o Andrei em casa. Adotamos uma cadelinha. Já fazia um tempo que eu queria. Quando saí de casa, deixei o meu filho-gato que eu sou apaixonaaaada, é o meu fofinho. Quando chego na casa da mãe ele já vem pra mim, pede colo, dorme comigo, coisa mais linnda. Mas não posso levar ele pro ap, pois não tem grade de proteção e se ele caísse da janela eu nuunca ia me perdoar.
Daí que eu queria um bichinho, eu adoro animais e queria um pra mim. Foram alguns meses convencendo o Andrei (imaginem quando for nosso filho mesmo? to bem arranjada né). Eu olhava animais para adoção todo santo dia, mas eles eram adotados muito rápido e como o Andrei não se decidia acabávamos sem filhote :( Mas aí no domingo fomos na Redenção, um parque bem famoso e bem lindo aqui em Porto Alegre e tinha uma moça doando. Andrei logo que viu ja disse que queria, escolheu a menorzinha, última fêmea, coisa mais gotosa. 
Ele é um mimo, precisam ver. Não chora, só brinca, dorme e come. E nas horas vagas tenta destruir os nossos tênis e meias haha 

"Tô triste, me acordaram pra tirar foto"

E aí, que acharam da nossa filhotinha?  Fofa né? Precisam ver ela quando vai passear, deixo ela cheia de brilho, com tops e tudo que tem direito haha




E hoje, dia 30 de outubro eu e Andrei estamos fazendo 1 ano.
Na verdade, um ano que oficializamos o nosso amor, que decidimos que íamos ficar juntos pra valer. 
Foi aquela última vez que eu fui encontrá-lo lembram? Poisé, deu no que deu e cá estamos nós. Um ano juntos e seis meses morando juntos. Passou tão rápido, que parece até mais. Mas por outro lado, acho tão pouco tempo sabendo que ainda temos tantos anos pela frente.
Só queria dizer que eu tô muito feliz por ter uma pessoa tão especial do meu lado. Alguém que eu sinto no olhar o amor, que sei o tudo que faz por mim, que tá sempre ali quando preciso.
Pra deixar registrado aqui, o quanto ele me faz feliz e me completa. Esperei tanto por alguém, parecia que eu sabia que o dia que encontrasse não ia mais largar. 

Uma foto do dia seguinte de quando nos conhecemos. Isso já faz quase 2 anos.



É isso meninas (e eventualmente, talvez, meninos). Bom resto de semana para todas, com um feriadinho delícia heinn? Aproveitem. Beijoos

Continuando

Acho que deixei as minhas caras leitoras um tanto curiosas, querendo saber se iam ser titias, se eu havia virado tentante e não avisei pra ninguém haha

Mas não.
Não virei tentante, mas acontece que não estou tomando o anti, então quer dizer que tudo é possivel. Eu e o Andrei nos cuidamos, mas sempre fica a dúvida "será?". E foi daí que surgiu minha desconfiança (aliás, mais da parte dele do que da minha) e eu contei pra vocês e vocês me mandaram ir logo fazer um teste. Como sou menina obediente, eu fui. Andrei comprou, eu fiz e como eu já esperava deu negativo. Só que... nada da monstrinha aparecer até agora. Eu não sei o que tá acontecendo, não sei se eu fiz as contas erradas, não sei se meu ciclo ta desrregulado, to bem perdida nesse meio. Preciso muito ir no médico, conversar, fazer exames e pedir pra ele me indicar outro anti-baby.

Mas sabe o que me deixou bem confusa. Eu tinha na minha cabeça que não tava grávida, mas fiz o exame e o que aconteceu quando só apareceu uma listrinha? Chorei. Chorei muuuito no banheiro sozinha. Depois falei pro Andrei e chorei mais um pouco no colo dele. Eu não quero um filho agora, a gente planeja mais pro  fim do ano que vem, agora seria complicado por vários motivos, a gente quer morar em Floripa ano que vem, está tudo se encaminhando. Eu sei de tudo isso, mas então porque fiquei tão triste e frustrada? Não sei, mas fiquei. Foi só durante um dia que eu fiquei assim, depois passou, mas nesse dia eu entendi um pouco o que é esse negócio de tentante, de como é a ansiedade de fazer aquele exame, de ficar esperando 5 minutos, andando pela casa, contando no relógio, depois ver só uma listrinha e pensar "vou esperar mais 5, só pra garantir". Gente, não é brincadeira viu? Isso que eu nem tava querendo ou esperando, mas foi agoniante. Agora penso, imagina isso todo mês? Prefiro nem pensar e acreditar que eu não terei que passar por isso, que quando for minha vez vou engravidar logo na primeira tentativa. Mas me solidarizo com vocês, minhas tão queridas e guerreiras tentantes. Conheço mulheres que estão há anos tentando e imagino o sofrimento delas, a cada mês, a cada negativo, cada dia menos esperança de acontecer. Mas acredito que tudo tem a hora certa, que Deus sabe a hora de cada uma de nós.

Então amigas, sinto em dizer mas vocês ainda não serão titias. Vamos continuar com os assuntos de sempre, que a gente nem gosta né? E quando for a hora certa eu venho aqui contar pra vocês, cheia de felicidade e de alegria. Tomara que não demora muito pra passar esse um ano.

Enquanto isso tô aqui, curtindo esses dias de calor no sul desse Brasil. Esperando, super empolgada, para começar a trabalhar e cuidar daquela criancinha tão linda e fofa. Empolgada com alguns projetos que quero começar logo a fazer.

 É isso meninas, só queria divulgar 2 coisas: o blog da minha amigona Ju (que eu falei no post anterior) to ajudando ela a criar, para ter um registro pro meu afilhado (ou afilhada né?), é o A Espera do meu bebê se vocês quiserem acompanhar *-*

E outra, uma coisa muito importante para todas nós, mulheres:

Vi no blog da Nana e também está no blog da Lígia, sobre a violência no parto. É uma campanha para as mulheres-mães, elas estão convidadas a fazer um vídeo falando sobre os seus partos, sobre a violência que sofreram. Achei muito legal, pois é uma forma de cada uma ajudar a melhorar  essa violência obstétrica que tantas mulheres sofrem, mas que nada fazem, ficam traumatizadas muitas vezes por causa dos seus partos, mas continuam caladas. Já chega, temos que lutar por  isso e como ainda não tive filhos e se você também não teve ainda, vamos conversar com mães que já tiveram e convida-lás a participar, é fácil e pode ajudar todas nós mulheres que queremos um parto mais humanizado, que queremos ser as protagonistas desse momento que é só nosso e do nosso filho.



As novidades e a 'talvez-novidade'

Como havia falado no post anterior, voltaria quando tivesse novidades.
Semana passada já haviam muitas coisas que eu gostaria de contar prazamigas, mas fui pega de surpresa com uma notícia.

Vou começar do começo de tudo e contar uma histórinha (prometo tentar ser rapidinha).
Tenho uma amiga, mas não é qualquer amiga. É aquela melhor amiga, aquela irmã, aquele que viveu as melhores e piores coisas do teu lado, aquela que chorava junto, mas que ria muito mais, aquela que passou a infância e vive até hoje contigo. Aquela que a mãe dela conhecia a minha antes de nós nascermos. Poisé, não sei vocês, mas eu tenho essa amiga. A gente já aprontou muito nessa vida, já tiramos muito sarro de tudo, já fizemos planos e já desfizemos também. Temos a mesma idade, mas sou mais velha 5 meses. A gente já brigou muito também, eu sou muito chata, confesso. Nos tempos do colégio queria ela só pra mim, por isso brigava com ela, porque ela era muito querida por todos então todos a queriam, e eu não podia deixar né. De uns 2 anos pra cá (um pouco mais) ela começou a namorar. Fiquei feliz por ela, afinal ela tava feliz. Os namoros dela nunca duravam mais de 1 ou 2 meses. Mas esse foi durando... Comecei a ficar meio de lado e a gente foi se falando menos. Eu ligava pra ela, procurava, mas ela parecia não fazer muita questão (pelo menos eu achava). Chegou uma hora que eu cansei e não procurei mais. Ficamos assim. Ela me ligava 1 vez por mês ou mandava uma mensagem. Eu respondia, ela respondia e fim. Foi assim durante uns meses. Quando a gente tentava se falar direito, não dava certo e acabávamos brigando.


Ano passado a gente voltou a se falar mais, mas nossos horários eram bem diferente e daí ficava difícil. Esse ano melhorou bastante. Desde o começo do ano a gente se fala mais, se vê mais. Acho que amadurecemos bastante. Com tantas coisas que aconteceram na minha vida e na dela (como "casarmos", temos nossa casa, tudo pra cuidar) acho que aprendemos muito. Eu pelo menos aprendi a dar valor a quem merece, vi quem realmente se importava comigo e queria me ver feliz. Vi que nas horas boas todo mundo é amigão, mas quando o bixo pega só os verdadeiros amigos são capazes de apoiar.
Percebi que posso ficar um tempo sem falar com a Ju (a minha amiga), mas que ela sempre sabe quando eu to precisando. Quando to triste, to mal, quando ta acontecendo algo, acho que ela adivinha e aparece como numa mágica. E o contrário também. Posso brigar taanto com ela, mas quando ela me liga chorando já me derreto toda e vou correndo encontrar ela.

Foi o que aconteceu semana passada, quando ela me contou a melhooor novidade do ano. Vou ser dinda, mais uma vez. Simmmm, Juju minha amiga, vai ser mamãe. Foi bem inesperado, ficamos bem assutados, mas agora passou o susto e é só felicidade. Ano que vem mais um anjinho chegando.

Essa é uma das novidades, foi meio que uma homenagem pra minha maninha e pra vocês conhecerem ela também, ela lê o blog mas nunca comentou, eu acho. Então Juuu, te amo amiga e a gente tá junto, mais uma vez.
Quis compartilhar com vocês, pois estou muito presente nessa gravidez. Como não foi planejada, a Ju ainda não sabe muitas coisas e eu como a louca-apaixonada-pelo-mundo-materno sei até o que não deveria saber ainda hehe e daí todo dia a Ju me liga ou eu ligo pra ela, pra saber a novidade do dia hahaha E hoje ela ouviu o coraçãozinho linnnndo do nosso baby (me adonei do filho alheio, percebam). E na próxima ultra a dinda vai junto, ebaaaaa todascomemora.

Mais uma novidade. Vou começar a trabalhar (todas comemora de novo). Não é nada fixo e tal, mas é algo que eu aaaaaadoro fazer. Já adivinharam o que é??? Pois então, vou começar a cuidar de uma nenêzinha que mora na rua da minha mãe. Ela tem 9 meses, estava na escolinha, mas a mamis resolveu tirar pois ela voltava sempre doentinha da creche. Então a titia Nicole vai ficar com ela, por enquanto 3 vezes por semana. Ela é uma fofa, tranquila, não chora, não incomoda. Não é um amoor? hehe

Outra novidade. Namorido está trabalhando, começou ontem. Emprego bom, ela tá adorando, tá aprendendo muito e tá super feliz. E se ele está feliz, eu to muito mais né??

E mais uma 'talvez-novidade'... a miss red está atrasada 5 dias!!!!!!!!! E agora? Eu acho que não é neném. Tudo bem que sempre tive um ciclo bem regulado, quando atrasa é no máximo 2 dias. Maaaaaas, não comemorem ainda haha Acho que pode estar atrasada pelo fato de eu ter parado há 3 meses de tomar o anti. Não sei  se cheguei a comentar, mas parei porque eu tava passando muito mal, muito enjoo, mal estar, tontura, falta de apetite. Daí tentei de tudo, mudei alimentação e tal e não adiantou nada. Parei com o anti e na mesma semana melhorei. Agora estou esperando ir no médico para ele me dar um novo remédinho, porque lembram né? Serei tentante sóóó no fim do ano que vem.
Mas na verdade, acho que Deus é que sabe a hora. (mas o namorido já tá bem desesperado achando que é um baby, só fala nisso. Fala como se já fosse certo que eu to grávida, tadiiiiiinho hehehe)

Entãooo meus bens, é isso. Acho que já chega de novidade né? Muita coisa pra um post só, mas queria muuuito contar pra vocês tudinho.

Fiquem com Deus, boa semana, voltou quando tiver mais novidades hahaha
Vou deixar a foto da semana, a minha gordiiiiiiiinha Sofia cada dia mais princesa.
Beijooos


Linda da tia, passeando de Cruzeiro

O que você quer deixar pro seu filho?

Oooi amigas, saudade da blogosfera.
Fiquei uns 3 dias sumida, mas voltei para aleegria de vocês hahaha


Hoje vim compartilhar com vocês uma situação que aconteceu comigo e com o Andrei.
Como estamos os dois parados, sem trabalhar todos os dias da semana, revolvemos fazer exercícios a barriguinha agradece. Temos, por enquanto, só uma bicicleta, então eu vou andando de bike e o Andrei vai correndo do meu lado, tadinho haha..e daí que um dia desses, ele correndo um pouco a minha frente, aconteceu o seguinte: Havia uma mãe com a sua filhinha de não mais que 2 anos, ela tinha um papelzinho, desses de santinho das eleições nas mãos e tinha um lixinho logo mais, há poucos passos. Eis que, ela jogou esse papel no chão e Andrei, no seu papel de cidadão consciente, passou correndo por ela, juntou o papelzinho e colocou no lixo bem na frente dela... E querem saber o que ela fez? Gritou pra ele: RETARDADO. Bem alto, no meio da rua, com gente passando e o pior, na frente da filha dela. Fiquei pensando naquilo, o que uma mãe dessas vai passar pros seus filhos? Vai ensinar que sujar as ruas é certo e quem joga lixo no lixo é alguém com problemas mentais? Com 2 anos uma criança já entende tudo, é desde cedo que se forma o caráter, que se aprende a respeitar as pessoas, as diferenças e tudo mais. Tudo bem que os tempos de eleição são uma droga, que ninguém gosta de ficar recebendo esses santinhos, que os próprios candidatos sujam a cidade. Eu posso ser uma pessoa de muita esperança ainda, mas acredito que se cada um fizer sua parte pode ajudar. Já aconteceram situações como estas comigo, eu também juntei a sujeira da pessoa e coloquei no lixo, bem na frente dela, mas comigo foi diferente, a pessoa ficou envergonhada com a minha atitude. Eu não consigo ver uma coisa dessas e ficar quieta, me dá uma tristeza ver gente jogando latinha e pacote de salgadinho pela janela do ônibus. Confesso que quando pequena meus pais jogavam lixo no chão, mas depois que eu aprendi na escola o que estava acontecendo com o planeta terra por causa do lixo, não deixava ninguém mais da família jogar nada nas ruas. Até pouco tempo eu jogava meu chiclé no chão também. Até que vi um passarinho morrer engasgado por causa de um chiclé, nunca mais joguei.
Sei que são pequenas coisas, mas eu ainda faço a minha parte. Pelo menos sei que o que eu posso, estou fazendo. Queria fazer mais, mas não vou atrás de soluções, mas também sei que não quero deixar de herança pros meus filhos o meu lixo.
Desculpa o texto, foi meio um desabafo, mas é para as pessoas pensarem mais em como estão agindo, muitas vezes sem perceber.

Imagem daqui


E agora queria deixar pra vocês uma página do facebook que acho muito interessante. Foi de lá que tirei essa imagem e tem tantas outras. Falando sobre a infância livre do consumismo. Que devemos cuidar dos nossos filhos, que a publicidade infantil está criando crianças que só se importam com o que os outros têm, e não com o que são. Estão só pensando nas coisas que vão ganhar, às vezes tem tantos brinquedos que até esquecem ou não tem tempo de brincar com tudo. É o caso da minha afilhada, tem um quarto recheado de brinquedos, parece uma loja, tem tudo que se pode imaginar. Claro que não é culpa dela, tem avós, bisavós, tios, tias, primos e até dinda, como eu, que estão sempre querendo agradar, deixar-lá mais feliz. Mas será que isso realmente é importante? Vou falar que, já dei brinquedos pra ela, gastei um bom dinheiro e ela até gostou, brincou por 5 minutos e esqueceu. Mas o que ela mais gosta, não só de mim mas de todos, é um tempinho, uma brincadeira, uma cósquinha, um carinho. É isso que criança precisa. Não que minha afilhada não tenha, tem a mãe mais carinhosa que eu já conheci. Mas falo de outras pessoas, às vezes nós ficamos tanto tempo longe das crianças e queremos compensar com presentes. Não tá certo, melhor gastar um tempo do seu dia e brincar, ler uma história, ensinar algo. É só isso que eles precisam.
O legal dessa página também, é que eles promovem uma feira de troca de brinquedos. Acontece em vários estados, as crianças vão com os pais, levam brinquedos que já não brincam tanto e trocam com outras crianças. Que ótima ideia né? Sem falar que deve ser um encontro super gostoso e divertido.

Bom é isso meninas, sem muitas novidades, quando tiver alguma muuito bombástico volto aqui pra contar hehe
Beijos e boa semana para todos.

Mais sobre a vida

Oii gente bonita.
Bem vindo outubro, tomara que seja um mês lindo e feliz pra todo munto.

Hoje vim falar um pouquinho sobre como tá a minha vida. Sei que vocês não perguntaram nada, mas eu to afim de falar e vocês como boazamigas tem que me "ouvir" também às vezes hehe

O que acontece é que eu to feliz, muito feliz, só que não.
Não que eu esteja triste. Me sinto bem, to com a saúde perfeita (até onde eu sei), tenho comida na mesa todo dia, tenho uma família linda, um namorido maraaaavilhoso. O que me incomoda então? Sabe quando a gente se sente perdida? Não sei vocês, mas eu já me senti assim várias vezes. Não tenho um objetivo,a não ser o meu sonho de ter o meu baby, aquela loucura toda que vocês conhecem bem, mas isaso não posso realizar agora, não chegou a hora ainda. Daí eu fico meio perdida, pensando o que fazer da vida. Cada dia quero uma coisa diferente. Tem dias que acordo feliz da vida, cheia de esperança e coisas pra fazer. Em compensação, tem outros dias que já levanto meio pra baixo, pensando que não to fazendo nada da vida, que tenho que correr atrás de algo. Mas do quê? Não sei no que gostaria de trabalhar, o que gostaria de fazer pra ganhar a vida.
Eu e namorido temos conversado muito sobre isso. Pensamos em abrir um negócio, algo que a gente saiba fazer e goste. Eu não consigo trabalhar em algo que não gosto. No momento a gente têm feito umas trufas para vender, é bem bom, a gente gosta. Também estamos com planos de nos mudarmos para Florianópolis. Como vocês sabem o Andrei morava lá até o começo do ano. Ele adora a ilha, nós adoramos a cidade. Morar na praia é um sonho que sempre tive, e ele também. Sei que não vai ser fácil no começo, aliás, nada nessa vida é fácil né? Então fico pensando se tô preparada mesmo pra essa mudança. Eu gostaria muito, seria bom para nós dois. Mas por outro lado penso em ficar longe de todo mundo, família, amigos... Só que, também penso que não posso me prender por causa dos outros, tenho que seguir o que quero da vida.
É, acho que dá pra perceber que estou meio confusa né hehe
Desculpa por vir aqui desabafar um pouco, mas esse é o meu cantinho, eu adoro ler sobre as amigas, sobre as família, os bebês e as gravidinhas. Não vejo a hora de chegar a minha hora, quando Deus me mandar o maior presente do mundo. Penso tanto nisso, no meu filho. Já amo tanto ele, sem nem saber quando ele virá. Quero muito que chegue esse momento na minha vida, mas sei que agora não é a hora. Não posso ter um filho ainda, sem saber o que fazer da vida.
Ai ai, é tanta coisa que penso, preciso colocar as ideias no lugar, descobrir o sentido da vida (oi? e ele existe?).
Enquanto isso vou continuar aqui, quietinha no meu canto, mas visitando todos blogs que eu adoro. Tô sempre aqui querendo saber das amigas, de tudo que tá acontecendo, quando estiver menos pensativa e confusa eu volto pra contar as novidades.

Vou deixar vocês com as imagens lindas da semana. Meu amorzinho, linda da titia/dinda.
Sofia, que completou 9 meses de alegria no último dia 28.


Linda, fazendo uma baguncinha básica.
Gordinha, aqui com 7 meses.



Beijoos e se cuidem, boa semana!

Sobre nós

Oi amigas.
Não tenho novidades ainda, então resolvi vir aqui postar minha história com o meu amor, Andrei, pra vocês irem me conhecendo melhor (e à ele também hehe). Já tinha escrito faz um tempo mas não tinha postado ainda.
Depois vou deixar aí nessa barrinha de cima, onde já tá escrito o sobre mim e do lado ficará o sobre nós.. óóó que amorrr haaha
Tá um textinho meio grande, mas vale a pena hein gurias haha



É difícil resumir tudo que a gente já viveu em algumas linhas, mas vou tentar resumir a nossa história.


Em fevereiro de 2011 fui passar uns dias na casa do meu tio, nos Ingleses- SC.
Tudo muito lindo, muito bem. Estavam lá também uma amiga da minha mãe, o filho da mulher do meu tio (chamaremos de primo emprestado) e a namorada dele. Íamos todos os dias na praia dos Ingleses, pois era mais perto, o mar menos agitado e blá blá blá preguiça. Mas num dia resolvemos ir na praia do Santinho, que era mais longe, a água era mais gelada, não tinha quase ninguém e o que mais tinham eram surfistas. Tá tudo bem, vamos.
Chegamos lá, estendi minha canga bem linda, deitei e fiquei admirando olhando todooos que passavam. Num belo momento vem uma pessoa com sua prancha embaixo do braço, suas tatuagens 'lindas' numa perna e uma chave na mão (sim, era o Andrei). Ele chegou perto do meu amigo e perguntou se poderia deixar a chave ali com a gente, pois ele ia entrar na água para se afogar surfar.Tudo bem, meu amigo pegou a chave e eu nem me atentei muito em olhar "a pessoa" e continuamos ali, conversando, jogando frescobol...até que, o tempo começou a fechar, as pessoas foram saindo da água, recolhendo suas coisas e se mandando embora. Nós também resolvemos ir embora, claro. Só que depois de mais de 2 horas havíamos esquecido do tal "surfista da chave".Mas então fui sacudir minha canga e o que cai na areia? Sim, a chave. Meu "primo emprestado" decidiu que seria muita falta de consideração ir embora e não esperar pra devolver a chave. Tá, vamos esperar mais um pouco.E passou o mais um pouco, e mais um pouco ainda e um pouco mais, e nada da criatura aparecer. Começou a chuviscar. Não tinha mais jeito, larga essa chave em qualquer lugar e vambora logo. Eu e as gurias indignadas, tava ficando frio, chovendo, ventando, mas meu primo emprestado como pessoa boa que é disse que "se fosse eu, não gostaria que deixassem minha chave aqui e.. mais blá blá blá". Resolvemos então deixar a tal da chave num quiosque, o único de toda a praia. Ok, deixamos e avisamos o senhor-dono-do-quiosque (que neste momento já havia se recolhido ao interior para se proteger da chuva). Nessas alturas a chuva já era bem forte e já estava bem frio e eu já estava bem braba, bem estressada e chingando o tal do "surfista da chave". Fomos caminhando pelo mato, pela areia e dunas (que é o caminho para sair e entrar da praia) reclamando do tal do guri, chingando e discutindo sobre "o que será que aconteceu com ele?se perdeu na maré?se perdeu na areia?se afogou?fugiu?foi raptado pela Ariel?". Enfim chegamos nas ruas asfaltadas. Caminhamos pela avenida, eu conversando com o primo. Até que tãnãnãnã. Olhamos pro outro lado da rua (eu e primo emprestado). Nos olhamos. Olhamos novamente pro outro lado da rua. Era ele. Sim, era ele, o "surfista da chave". Atravessamos a rua. Fomos em direção a ele, que nos olhava meio que não sabendo quem éramos, porque estávamos indo em direção à ele. Quando chegamos mais perto e sorrimos, ele nos olha e diz "São vocês, que ficaram com a minha chave né?" com a maior cara de tranquilo e despreocupado do mundo. Meu primo emprestado começou um papo com ele, avisou que havíamos deixado a chave no quiosque e tal.Eu já estava apressando todo mundo, tava abaixo de chuva, com frio. Queria ir pra casa logo, tomar um banho, comer algo... O "surfista da chave" nem queria falar sobre a chave. Nos convidou para ir até a casa dele, que era ali perto, pra conhecer os amigos que moravam com ele e isso e aquilo. Meu primo e a namorada decidiram ir. Eu disse que não iria de jeito nenhum, queria mesmo ir pra casa logo. Os três tentavam me convencer (sim, primo emprestado, namorada e "o surfista"). Não fui, voltei para casa com a minha amiga.
Mais tarde chegam meu primo emprestado e namorada. Falam que fizeram amigos, que "os caras" são muito legais e que já marcaram de ir na casa deles mais tarde. Que o tal do "surfista da chave" era barman, fazia várias bebidas boas e que iriamos. Anoiteceu, jantamos e fomos. Cheguei bem quieta, não querendo muito papo. Começamos a conversar. Realmente, "os caras" eram bem legais. Nos divertimos, rimos, bebemos e jogamos cartar (e nem preciso falar que eu ganhei né?!).Depois de hoooooras, resolvemos ir andar pela rua, ir até a praia ou jogar uma sinuca. Fomos e eu já estava um tanto "bebinha", aliás todos estavam.Caminhamos, paramos num bar, caminhamos mais. E o tal do Andrei se encantou em mim né? Linda de morrer que sou. Todo tempo falando comigo, andando perto de mim, sem contar que ainda na casa, ele fazia as bebidas e só ME oferecia, tudo ia direto pra minha mão(porque será néam?).
Chegamos na frente da praia.Andrei chega perto de mim, bem perto, fala algo que não me lembro até hoje (e nem ele lembra) e me beijou.Foi lindo, confesso. De noite, de frente pro mar, com aquele barulhinho gostoso e aquela vista linda.E assim ficamos o resto da noite. Depois disso ficamos sempre juntos, até o dia que eu teria que ir embora. Foi tão triste. Chorei a viagem toda. Sentia alguma coisa muito boa por aquele loirinho despreocupado. Ele era tão alegre, tão carinhoso, me tratava tão bem.
Continuamos nos falando pelo msn e orkut. Em abril fui para lá de novo. Cheguei na casa dele e sentei do lado da cama. Quando ele acordou e me viu, foi tão lindo. Nem acreditou que eu tava ali, de novo hehe.Ficamos mais uns 4 dias juntos. Eu ficava na casa dele o tempo todo, até quando ele ia trabalhar eu ficava lá, com o amigo dele e a namorada. Depois vim embora de novo e foi mais triste ainda. Chorei muito na viagem.

Nossa primeira foto, em Floripa


Longe dele eu só pensava nele. Ficamos assim por um tempo e, sinceramente, eu já estava pensando em desistir dele, desistir de tudo que eu sentia. Eu gostava demais daquele "surfista da chave", era uma coisa meio louca. Eu nunca havia sentido nada parecido por alguém...mas ficar naquela distância, tendo noticias dele só às vezes, tava me matando. Foi aí que decidi: vou só mais uma vez lá, ver ele a última vez, ficar junto uma última vez e deu. Deu, não quero mais sofrer. Vou seguir a vida né, a vida é bela, é linda, tenho muito o que curtir ainda, não quero mais saber dele, vai ser a última vez que vou ver ele. Só que não.
Avisei que estava indo, ele foi me esperar na rodoviária. Que saudade, nossa, eu nem sabia o que tava sentindo direito. Mas tinha na minha cabeça "é a última vez heinn".Ficamos 3 dias juntos, foi maravilhoso, ele nem ia trabalhar pra ficar comigo (coisa feia). Ele me falava coisas tão lindas, era exatamente como a pessoa que eu sempre sonhei que ia encontrar, só que não era, pois era "a última vez".
Mas eis que ele foi muito esperto. Começou com o assunto de que gostava muito de mim, falando sempre as coisas bonitas, e tocou no assunto namoro. Tá, mas ficamos naquela brincadeira. Chegou a hora de eu ir embora, ficamos um bom tempo na rodoviária nos despedindo. Na hora que eu tinha que subir no ônibus ele falou "Não esquece que agora estamos namorando hein". Ahã, pensei eu, claro que sim. hahaha Vim embora, chorando, só pra variar um pouco...mas dessa vez ele também ficou chorando.
No meio da viagem a irmã dele já me manda uma mensagem, dando parabéns "pelo namoro"..como assim? É, ele levou bem a sério. Continuamos nos falando todos os dias. Depois de 2 semanas fui ver ele de novo e aí foi melhor ainda. Depois de mais umas 3 semanas ele veio para minha casa. Conheceu todo resto da família e ficou lá umas 3 semanas. Passamos o natal com  a família dele (ele é de Rio Grande) e aí eu também conheci toda a família dele. Depois disso tudo, ele viu que não ia mais conseguir viver sem mim (hahaha) e resolveu que viria embora pra cá. Então, desde 4 de janeiro desse ano estamos juntos todos os dias, sem mais distância, sem sofrimentos e choradeiras e sem despedidas.Desde 30 de abril moramos juntos e estamos muito felizes. E eu agradeço sempre por ter feito toda essa loucura, de ir atrás dele, de querer e procurar. Se não fosse isso hoje eu não teria um homem tão maravilhoso do meu lado, alguém que me faz tão bem e me faz ser a mulher mais feliz desse mundo. O futuro pai dos meus filhos. O homem da minha vida, o meu amor.


Umas fotinhos pra vocês verem como somos lindos e maravilhosos, só que não haha







Visita da cegonha

Isssssssssssooo mesmo, a cegonha resolveu nos visitar.


Estamos muuuito felizes, mais um bebê lindo e gordinho na família.
Foi super rápido, ninguém esperava mas veio a notícia.
Em abril teremos mais uma coisinha fofinha pra completar.
Recebemos a maravilhosa notícia na sexta, mas ainda não queríamos sair espalhando por aí...
Mas adoro compartilhar tudo com azamigas dos blogs e tive que vir contar.



To muuuito feliz, ganharei mais um sobrinho (ou sobrinha) pra alegrar minha vida.
O que? Vocês não acharam que era eu né? hehehe
É, minha irmã resolveu encomendar logo um outro baby. Minha sobrinha vai fazer 9 meses semana que vem, e daqui 7 meses vai ganhar um maninho (ou maninha). Loucura né? mal saiu de uma gravidez e já entrar em outra. Coragem.
Mas é a vontade deles, criar os dois juntinhos, serem bem amigos. Não sabemos se vai ser assim, mas a gente sempre espera né.
A mana tá a coisa maissss linda, tá com 9 semanas mas já está bem barriguda. A gente ficou apavorado quando viu, parece uma barriga de uns 4 meses, sem brincadeira. Será que vem dois? ai ai ai, já pensou...3 bebês em casa. Acho que agora sim ela vai precisar de uma babá hein.
Queria ir pra lá ajudar ela (é, eles moram em outro país) lá por abril, que é quando o neném nasce. Eles iriam vir em esse ano pro Brasil, ou no verão em janeiro e fevereiro, mas com a gravidez não vai dar né. só ano que vem. Nada mais justo do que a dinda ir ajudar, não acham? hehe

É isso, desculpa se criei expectativas em vocês, achando que chegou a minha vez... quem derá né?
Mas espero que em breve (ano que vem) eu venha dar essa maaaaaaravilhosa noticia para as amigas.
Continuem acompanhando os próximos capítulos.
Beeeeeijos.






Doce Feliz Espera Nicole Aquino. Todos os direitos reservados